A iniciativa foi Deus ´ s. Ele chama exatamente como ele uma vez começou com o povo escolhido de Israel, de uma grande nação para herdar sua bondade e compaixão em cada geração. Especificamente, Deus pede um propósito, para responder a esta grande tarefa de irradiar seu amor e sua presença para as pessoas chamadas para a salvação desde o início.

 É hoje dentro de cem anos, que nós justamente dar graças a Deus ´ s bondade e as marcas de tal Marco, um momento oportuno, de bênção em nosso pessoal, comunitarista e como uma congregação.

A Congregação das Irmãs Dominicanas Missionárias do Rosário regozija-se e humildemente torna a nossa homenagem a Deus não pela tarefa que carregamos através deste ano centenário, mas pela sua presença inabalável na vida de todos os que andam sobre as montanhas para trazer a boa nova. É sua coragem e ousadia que ousamos trabalhar como Micah 6:8 exige de nós: "agir com justiça para amar ternamente e andar humildemente com nosso Deus." Fomos privilegiados, fomos verdadeiramente abençoados ao encontrar a mão de Deus em nossos fundadores Monseñor Ramon Zubieta y Les e Beata ascensão Nicol Goñi, que uma vez foram os primeiros a responder na chamada para ser arautos nas selvas do Peru, na Amazônia. Esta forma exemplar de viver, um belo dom de abandono e confiança no cuidado de Deus ´ s para os povos e as Nações, marcou um século este ano, 2018.

A Congregação presente em 23 nações, em uníssono, é grata a Deus em nossos fundadores, bem como a todos-nossos colaboradores, famílias, amigos, companheiros religiosos e todos os que servem abertamente a esta igreja que todos nós amamos.

Cada comunidade da Congregação abre para nós uma maneira de ver e aprender uma nova maneira de responder a este apelo de seguir o senhor. Na verdade, somos abençoados e desafiados a ser o novo rosto de um Deus em tudo o que acontece ao nosso redor, aquele que nunca deixa de chamar seu povo ao seu amor, sustenta-nos a enfrentar o amanhecer e definir ainda cada pôr do sol.

Esta celebração é um lembrete de que seu amor perdura para sempre, assim, o centenário é uma marca para um novo começo. Assim como Santo Agostinho diz que viver bem não é nada além de amar a Deus com todo o nosso coração, com toda a nossa alma e com toda a nossa força. Que obedecer é uma maneira de discernir sua vontade e seu amor no mundo de hoje, dispostos a oferecer a todos para abrir novas maneiras de continuar a ser força para os cansados e alegria para os que se desesperam.

Assim, esta celebração jubilar não é sobre nós como uma congregação nem sobre as nossas obras, mas Marcos de Deus ´ s graças abundantes que nos permitem ir e ser para ele, instrumentos de esperança e paz para as pessoas que ele ama implacavelmente. Nossa história é uma prova de que Deus nunca deixa de se importar, perdoa a areia nos fortalece na jornada cotidiana.

Venham, meus queridos irmãos e irmãs, honremos e damos-lhe o devido louvor nesta bela terra onde estamos, entre os nossos irmãos e irmãs de todas as raças e crenças.

ça é visto nas vidas que nos esforçamos para compartilhar com o mínimo

 

Share
Share
Share