A celebração do centenário de MDR, convida-nos a agradecer a Deus em primeiro lugar, para revisitar a sua presença e providência nos traços marcados. Veja hoje e volte para a história, para os caminhos que caminharam os primeiros enviados após as etapas tomadas pelos nossos fundadores. Isso me faz pensar em comunidades como pequenas respostas para a pregação cativante de Micah 6,8: “o senhor de vocês exige: apenas praticar a justiça, amor piedade e andar humildemente com o seu Deus.”

O 100 ano é realmente um ato Congregacional, mas é também um convite pessoal para recordar, levar a sério aqueles que recebemos-a graça da vocação que Deus nos dá. Faz-nos colaboradores e requer tanta humildade e confiança nele, para alcançar esses povos já desde o início, a missão herdada de nossos fundadores; Monsenhor Ramon Zubieta e Les e a abençoada ascensão Nicol Goñi.

Em nossa casa de boas-vindas em Madrid, a casa daqueles que atravessam mares e montanhas pelo enviado (como os de Pamplona e do patrocínio em Lima), houve diferentes passos importantes que marcam a celebração, em particular, este ano jubilar, que oficialmente começou no colégio de Stella Maris de 7 de outubro de 2018.  A partir desse dia, surgiu um movimento entre as diferentes províncias. Celebrações da abertura em continentes e em vários países onde o carisma está presente e para enfrentar nas comunidades das irmãs.

Minha estada em Madrid tem sido um pouco de “o raro”, o sentido de pertença que me qualifica para ser, mas não é completamente. De qualquer forma, eu me senti muito bem-vinda e abrigado nesta comunidade, graças a todos os que me assistiram até este momento para o amor ou a outra palavra deste, caridade. Assim, não só Abraão, saiu sem saber para onde ir, nós também, estamos na incerteza de cada vez, tocamos novas terras, novas culturas e sociedade, mas no fundo, é o único, que nos chama a peregrinação para desfrutar da abundância de sua graça no caminho , não só no destino completo.

Com as irmãs de Madri e aqueles que passam pelo 44 de Carlota o ‘ Neill, Deus está me colocando no aprendizado diário para a coexistência de diferentes idades, mentalidades e culturas, uma vez que estamos na Comunidade de excelente experiência em acolher aqueles que vêm e vão para Espanha.

O verão de 2018, o privilégio de descanso nos estudos tem sido gratificante e enriquecedor, de grande inspiração em aprender a seguir os passos de Jesus pelas etapas tomadas por nossas Irmãs Missionárias e corajosas. No singular, eu vi esta oportunidade de agradecer este ano de graça, visitando aqueles que marcaram os primeiros traços da minha província, San Luis Beltrán. Senti, em comunhão com as irmãs de Timor-Leste, as Filipinas e aquela que era a Austrália.

O momento oportuno para voltar e continuar a viver o entusiasmo no presente. Comecei com um pequeno retiro em nossos fundadores, seus primeiros desafios em começar nas selvas, a primeira jornada da ascensão da mãe e orando por todos os anos que se seguem após o primeiro embarque. Pois tem sido um século desta mesma visão e alegria em entregar à missão. No segundo parágrafo da página 25 do plano geral de 2016-2022, está escrito: “nossos pais fundadores foram deixados para conduzir pelo sopro do espírito que os levou a sintonizar-se com o espancamento dos pobres da terra e abriu novos caminhos, grávida de ousadia e Paixão missionária. “como é bom ter memória das primeiras experiências! Verdadeiramente, é um desafio para nós que já não escrevemos tanto com a caneta, mas no ar, nas nuvens! Eu acho que é muito importante deixar por escrito, embora já não em pergaminhos, mas algo em arquivos das bênçãos de Deus que caminha conosco. Uma história não só de memórias, mas de fazer pontualmente, reconectar-se como o WhatsApp nos facilita hoje em dia. Foi, uma ocasião de alegria, pode ser privilegiada, mas é sempre uma reunião agradável para expressar a gratidão ao senhor por todo o dom e aconteceu dentro do centenário.

Realmente, foi um presente para encontrar ao vivo, ouvir suas histórias e nostalgia, para viver alguns dias com as irmãs, que realizou a sua missão nas áreas do mundo que são multicultural e diversas línguas. Na verdade, eu conhecia-os pelo que as irmãs nos disseram, antes que eles viram seus rostos e ouviu suas próprias vozes (como eles ainda estão escritos no coração filipino e timorenses).

Tem sido um presente significativo, o privilégio de viver com aqueles que estavam na província:

  1. Faith bravo (que ainda canta sua canção favorita: Zamboanga Hermosa);
  2. Maura de Hoyos que mostrou a todos os seus companheiros a sua rota missionária no leste, em particular as ilhas das Filipinas
  3. Isabel Gutiérrez com a memória inesquecível de calar e Olutanga
  4. O Inglês ainda está intacto de Sr. Alisson lamas
  5. Benedicta Martínez com a sua experiência em aprender chinês, espetando símbolos na parede para memorizar
  6. Adela Alonso no terceiro andar que mantém boas lembranças das irmãs e da agradável estadia na Universidade de Sto. Tomas, Manila.

 

A “peregrinação” de Madrid-León a Zaragoza, com um intervalo de estadia no Fiesta de Sta. Rosa em Huesca, foram experiências imprevistas. Ele andou, sem alguma garantia de ser feito. Visite as irmãs fora de Madrid neste verão: 

  1. Covadonga Palace que eu dei alguns conhecidos em Zamboanga,
  2. Cypress Angels Subanipa na memória como a única ilha no paraíso
  3. Ernestina Fernandez, o sempre afetuoso com todas as terras conhecidas
  4. Ao nosso amado cristobalina longan, a versão gentil e feminina de St. Martin de Porres, em Baliwasan.

 

Não havia nenhum evento especial ou projeto particular a agradecer para sua presença e a entrega generosa da vida em missões no Oriente. Compartilhamos a alegria do centenário, reavivando memórias e atualizando rostos de conhecidos pelas redes sociais, conectando pontualmente onde possibilitamos a comunicação pelo poder do wifi. Uma coisa pequena, mas enche-me de alegria reconectando as irmãs mais velhas que parecem já desconectadas com o passado viveu em sua juventude. Foi verdadeiramente uma bênção para mim, vê-los com sorrisos e moldar a história para a realidade do presente.

 

Como as histórias do primeiro grupo de israelitas que andaram sem saber muito bem para onde estavam indo, assim são nossas irmãs que andaram sem saber que essas comunidades ainda persistem em terras missionárias. O exemplo de nossos pais fundadores em toda a história da Fundação, sendo a vida dos tempos de hoje, responsável pelo momento como colaboradores de Deus respondendo atentamente aos irmãos em nossos pequenos ambientes, somos convidados a criar e Compartilhe a esperança onde estamos.

As irmãs ANIMO, um século marcado em nossa história é a base de continuar a escrever e também, para iniciar uma nova página para os séculos vindouros. O Papa Francis lembra-nos no capítulo quatro da sua mais recente exortação gaudete et Exsultate, que fala da paixão e do humor em servir e viver com os outros em ambas as horas de oração e trabalho, convidando-nos a viver este testemunho de santidade , desta alegria na vocação que é União a Cristo primeiramente. Ser humilde não protagonistas, ser paciente e perseverante em todos os tempos, é aquele que nos coloca na estrada continuamente para alcançar os homens e Deus.

 

 

 

Share
Share
Share